top of page

A conservação de um tesouro Asteca feito de penas

Uma das imagens populares da cultura asteca consiste em um imperador com um grande cocar de penas. O último exemplo remanescente no mundo é um dos destaques da exposição permanente no Weltmuseum Wien, em Viena na Áustria.



A lista de componentes deste cocar asteca já dá uma indicação razoável de seu valor: ouro, bronze dourado, couro, papel, algodão e outras fibras, e penas de quetzal, cotingas, colhereiro-esquilo, cuco-esquilo e martim-pescador.

O próprio pássaro quetzal desempenha seu papel especial na cultura asteca por meio, por exemplo, de uma associação com Quetzalcoatl, uma divindade importante.

Como você pode suspeitar, muito presumivelmente aconteceu entre os artesãos astecas que montaram o cocar no início do século XVI no México e sua aparição em um museu etnográfico na Viena do século XXI.

O adorno de alguma forma passou para as mãos do arquiduque Fernando II do Tirol (1529-1595), um descendente dos Habsburgos que governou, por exemplo, territórios no que hoje é o oeste da Áustria.

Ferdinand era um grande colecionador e grande parte de sua coleção diversificada de arte e artefatos chegou a Viena a tempo.

Hoje em dia, a aparência magnífica do cocar é enganosa. Olhando-o por trás, fica evidente o seu precário estado de conservação. O envelhecimento e as infestações de insetos do passado o danificaram e contribuíram para sua condição frágil. Mas os seus próprios materiais e a forma como foi feito também contribuem para a sua fragilidade.



Os materiais com os quais o cocar foi feito originalmente têm mais de 500 anos. Alguns deles são particularmente frágeis por natureza. Três delicadas redes estabilizadas por finas hastes de madeira compõem a estrutura do cocar. Longas penas de quetzal verdes e frágeis foram costuradas nas redes em vários pontos ao longo de seu comprimento. Cada pena também está ligada às suas vizinhas, de modo que seu movimento afeta as outras ao seu redor. Com o tempo, muitas das penas se quebraram e perderam seus galhos e bárbulas.



Desde a sua criação, o cocar foi modificado várias vezes. O primeiro trabalho de conservação documentado foi feito em 1878. Foi restaurado com a adição de novas penas e elementos dourados, e foi montado em uma posição plana. Em 1992, foi novamente conservado para melhorar sua aparência.



De 2010 a 2012, um projeto binacional mexicano-austríaco estudou a construção do cocar e sua história. O projeto nasceu de um desejo de exibir o cocar de penas no México. Foi realizado na esperança de revelar maneiras de tornar esse desejo uma realidade.


Danos significativos foram encontrados durante o projeto. Pelo menos 170 quebras foram detectadas nas 374 longas penas de quetzal do cocar. As redes foram rasgadas em muitos lugares e alguns dos ornamentos de metal danificaram as penas e redes ao redor. Quando o cocar foi removido de seu suporte usando técnicas de ponta, cerca de 2.000 fragmentos de penas que haviam se quebrado anteriormente foram descobertos.


Especialistas mexicanos e austríacos concordaram durante o projeto que o cocar de penas não poderia suportar riscos de danos. O México então pediu ao Prof. Dr. Wassermann (Universidade Tecnológica de Viena, Instituto de Mecânica e Mecatrônica) que estudasse se seria possível transportar o cocar sem ultrapassar os riscos inerentes a esta operação. Ele determinou que era praticamente impossível mover o cocar usando os meios de transporte padrão para empréstimos internacionais (automóveis e aviões) sem risco de danificar este objeto.


Infelizmente, este adorno não pode ainda retornar ao México.. quem sabe com o advento de novas tecnologias, este objeto possa voltar ao seu local de origem?


Se interessa por adornos plumários?

Aproveite para conferir nosso novo curso com a Profa. Susan Salguedo - Arte Plumario: Documentar para preservar!





55 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page