top of page

Como escolher o tipo correto de iluminação para uma exposição no museu?

Escolher as luzes de museu corretas para uma exposição de objetos é extremamente importante para se obter o equilíbrio entre a preservação e a exibição de bens culturais em um ambiente de museu ou galeria.


Objetos sensíveis como pinturas, documentos antigos e outras peças policromadas requerem condições de iluminação específicas para garantir sua visibilidade, precisão das cores e longevidade. É claro que isso dependerá da composição dos objetos - as pinturas a óleo não serão as mesmas que as pinturas acrílicas e as pinturas em tela não serão as mesmas que as pinturas em painéis ou outros materiais.





Aqui estão 7 aspectos que os conservadores devem levar em consideração ao escolher as luzes de museu mais adequadas para pinturas:


1. Espectro de luz, renderização de cores e consistência ao longo do tempo

O espectro de luz emitido pelas luzes do museu pode ter um impacto significativo na visibilidade e precisão das cores das pinturas. Opte por luzes que forneçam um espectro equilibrado, que se assemelhe à luz natural do dia. Luzes com alto Índice de Renderização de Cor (IRC), de preferência acima de 90, garantem que as cores apareçam como as da obra original.


De acordo com as Diretrizes para Seleção de Iluminação de Estado Sólido para Museus, alguns LEDs podem se autoregular a temperatura para evitar ou reduzir o risco de operações de temperatura mais altas que tenderão a reduzir a vida útil. Isso significa que é possível que suas leituras de lux LED variem durante o dia, embora os autores afirmem que pequenas flutuações são improváveis de ser grandes o suficiente para causar um problema ou serem notadas pelos visitantes.


2. Emissão de UV e IR

Por que se preocupar com o controle de UV? Porque, para muitos artefatos, como pinturas com pigmentos permanentes ou impressões e desenhos monocromáticos, o amarelecimento e a desintegração dos meios e suportes pelo UV é a principal forma de deterioração sofrida durante a iluminação de museu não controlada.


A radiação ultravioleta (UV) e a radiação infravermelha (IR) são prejudiciais às pinturas, pois podem causar desbotamento, descoloração e danos estruturais ao longo do tempo.


Selecione luzes de museu que emitam radiação UV e IR mínima, protegendo a longevidade das obras de arte. Opte por luzes LED de alta qualidade que produzam pouco ou nenhum UV ou IR. E independentemente do que seus rótulos afirmam, certifique-se de verificar a radiação UV e IR com um medidor de luz para ter certeza.


3. Níveis de iluminância

Manter níveis de iluminância apropriados é crucial para a visibilidade das pinturas e sua preservação. Você deve buscar um equilíbrio entre intensidade de luz suficiente para visualização e minimização do potencial de dano causado por exposição excessiva. Você pode usar este documento de referência sobre níveis de luz para armazenamento e exibição pelo Conservation Center for Art and Historic Artifacts


4. Ângulo do feixe e direcionalidade

O ângulo do feixe e a direção das luzes do museu desempenham um papel significativo no efeito de iluminação geral. Ao instalar luzes pela primeira vez, é aconselhável obter luminárias ajustáveis que permitam um controle preciso do ângulo do feixe, garantindo uma iluminação uniforme em toda a superfície da pintura.


Confira este vídeo curto sobre Técnicas de Iluminação do Smithsonian American Art Museum para ver como eles usam 30 (sim, 30!) lâmpadas diferentes em um único pequeno corredor.


Como sua pintura provavelmente estará protegida por vidros ou vitrines, certifique-se de testar os ângulos de iluminação para evitar reflexos irritantes. Não se esqueça que a iluminação direcional também pode realçar a textura e a pincelada, aprimorando a experiência do observador.


5. Capacidade de ajuste de intensidade

A maioria das lâmpadas de LED requer dimmers especiais, pois os antigos sistemas de iluminação podem não funcionar adequadamente.


As luzes com capacidade de ajuste de intensidade permitem que você ajuste os níveis de luz para diferentes exposições ou fins de conservação, mas os LEDs podem apresentar problemas com seus dimmers, o que causa oscilação, o que não é ideal. Você pode contornar problemas de oscilação usando diferentes tipos de telas para reduzir a intensidade - apenas certifique-se de que a tela não esteja interferindo nas temperaturas de cor.


6. Emissão de calor

“Em geral, se a iluminação LED for usada apenas para atingir intensidades de nível de museu, e isso for feito sem filtragem pesada de uma lâmpada excessivamente potente, as lâmpadas LED podem até ser usadas dentro de vitrines sem causar um aumento de temperatura de mais de um grau ou dois". (LED Lighting in Museums and Art Galleries – Technical Bulletin 36)


O calor excessivo da iluminação de museus pode acelerar a deterioração de pinturas, especialmente de materiais delicados, com camadas de tinta. Isso também pode causar expansão diferencial entre as camadas e o substrato, levando a rachaduras e perda de superfície.


Opte por luzes que produzam uma emissão mínima de calor, como os LEDs. Isso ajuda a manter um ambiente estável ao redor das obras de arte, reduzindo o risco de danos. Novamente, não confie cegamente nos rótulos de suas lâmpadas.

Use um registrador de dados ou um medidor de temperatura manual para garantir que a temperatura dentro de suas vitrines ou ao redor de seus objetos permaneça aceitável.


7. Eficiência energética e custo

Há duas razões para buscar uma conversão de iluminação conforme descrito aqui. A primeira é economizar custos de eletricidade e os custos associados à substituição das lâmpadas. A segunda é alcançar metas de sustentabilidade energética, alinhando-se com os objetivos estratégicos de um museu para preservar o patrimônio e o meio ambiente.


Considere a eficiência energética e as implicações de custo a longo prazo ao selecionar luzes para museus. Os LEDs são conhecidos por sua eficiência energética, consumindo significativamente menos energia do que as opções de iluminação tradicionais. Embora o investimento inicial possa ser maior, a longa vida útil e a redução das necessidades de manutenção dos LEDs frequentemente resultam em economia de custos ao longo do tempo.


Conclusão


Algumas décadas atrás, os principais fatores que influenciavam na escolha das melhores luzes de museu para pinturas relacionavam-se com a conservação das pinturas e a satisfação dos visitantes. Hoje, os tomadores de decisão também devem levar em conta a disponibilidade de equipe, os custos gerais de manutenção e a sustentabilidade ambiental.


Ao considerar fatores como espectro de luz, emissão de UV e IR, níveis de iluminância, ângulo do feixe, oscilação, emissão de calor e eficiência energética, os profissionais responsáveis pelo cuidado das coleções podem tomar as decisões mais informadas. Isso garantirá condições de iluminação ideais tanto para exibir quanto para proteger pinturas em ambientes de museus.




Quer saber mais sobre os bastidores de uma exposição?


Nosso curso de Gestão de Exposições pode revelar esse mundo para você!


Confira aqui o vídeo de boas-vindas do curso!


E faça sua inscrição agora!


61 visualizações0 comentário
bottom of page